O quê?

Entre setembro e novembro de 2022, a juventude do movimento pela justiça climática vai ocupar centenas de escolas e universidades por todo o mundo. Nós não vamos desistir até conseguirmos o fim da era dos combustíveis fósseis.

A nossa reivindicação: O fim aos […] fósseis!

O nosso objetivo é mudar o sistema acabando com a economia fóssil a um nível internacional. Dependendo do contexto
local, as reivindicações podem variar entre o fim da extração dos fósseis, do financiamento dos fósseis, do investimento nos fósseis, das infraestruturas fósseis, ou outras.

Porquê?

O movimento jovem tem mostrado a sua força nos últimos anos, mas as emissões continuam a aumentar enquanto o tempo para agir diminui. O movimento pela justiça climática tem o poder de mudar o mundo, e o movimento jovem tem o poder de pôr um fim aos fósseis agora.

A indústria dos combustíveis fósseis é um dos pilares mais importantes do sistema. Se o desmantelarmos, conseguiremos abrir o caminho para pôr fim à crise climática e assegurar uma transição justa para todas as pessoas.

Acreditamos que cada grupo da sociedade se deve mobilizar onde consegue de modo a construir um movimento de massas pela justiça climática que pode vencer. Assim, vamos usar os espaços que temos- escolas e universidades – para organizar a mudança do rumo da História. Vamos usar estas ocupações para lutar pelos nossos presentes e futuros, que só serão possíveis através da reivindicação pelo fim imediato dos combustíveis fósseis.

Ocupar é desestabilizar a normalidade, e desestabilizar é gritar alto e bom som para o resto da sociedade que a nossa casa está a arder. Vamos ocupar para exigir o fim dos combustíveis fósseis. Vamos desestabilizar escolas e universidades porque não podemos continuar a fingir que a normalidade está correta: o nosso dever enquanto jovens é lutar. Vamos ocupar para provar que um outro mundo é possível, mostrando e perspetivando colectivamente a sociedade justa que queremos criar: livre de opressões e com a vida, não o lucro, no centro.

Fomos buscar inspiração a inúmeros exemplos históricos, desde a Revolução dos Pinguins de 2006 no Chile, à Primavera Secundarista de 2016 no Brasil, às grandes mobilizações que se seguiram ao Maio de 68 por todo o mundo; e muitas outras que nos mostraram que os estudantes têm o poder de mudar profundamente a sociedade. Pretendemos nada menos do que isto: começamos como estudantes, mas queremos que toda a sociedade tome ação pela justiça climática.

Quem?

Qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo, que queira organizar ocupações das escolas locais no fim deste ano é muito bem vinda a fazê-lo, desde que concorde em participar para atingir a nossa reivindicação principal, e siga os nossos 3 princípios.


Os nossos 3 princípios:


Liderada pela juventude
As ocupações das escolas/universidades são organizadas pela juventude.

Enquadramento de Justiça Climática
O enquadramento político destas ocupações é a justiça climática. Queremos acabar com os fósseis para alcançar justiça climática e social globalmente. Queremos acabar com os fósseis através de um processo global socialmente justo.

Ocupar até vencermos
A nossa intenção é ocupar escolas e universidades em vários locais, perturbando o funcionamento normal da sociedade até que a exigência local seja ganha.

Cartazes

Usa #EndFossil nas publicações nas redes sociais! Clica em cima do cartaz para o adaptares e editares.

Eventos

Apresentação pública @ Fórum Social Mundial: Como os jovens vão ocupar as escolas para acabar com os combustíveis fósseis!

Quando? 6 de Maio às 14h GMT (15h em Portugal continental)

Onde? Fórum Social Mundial online, neste link: https://us02web.zoom.us/meeting/register/tZ0ucOCvrD4jHtCKDqSiT8U5AKZda4APf1bv?fbclid=IwAR2DLfXuVrl8ZVJ4AwPOF5R6_523zz3P0xcF9JCsPMbtd7ZqGZ8QbuZqHRo

Entre Setembro e Dezembro de 2022, o movimento internacional pela justiça climática vai ocupar escolas e universidades em todo o mundo.